Jack White, Third Man Records, vinis retrô-hype e ‘ai Jack White’, rs…

Já começo o post suspirando ‘ai Jack White’, rs… Desculpa a idolatria, mas eu acho esse cara meio gênio! Ele é incrivelmente simples e criativo. E é excêntrico. E intrigante. E enfim, vou poupá-los de lambeção, ok :)

Primeiro que obviamente, ele não ia seguir padrões. E pra isso, fundou a própria gravadora, a Third Man Records. Ótimo, ele manda! Fuckyeah liberdade de expressão!

Dai que eu poderia escrever um texto beeeem longo contanto várias façanhas que eu sei desse artista criativo sem fim, mas vou tentar ser breve e contar só 2 ‘causos’:

1. Na festinha intimista de 3 anos de sua gravadora, ele fez seu primeiro ‘show’ com carreira solo de verdade e distribuiu um vinil azul (lindo) com todos os compactos de artistas da Third Man em 03 rpm (rotações por minuto). O que isso quer dizer? Que não dá pra ouvir o vinil hahahahaha ‘ai Jack White’, rs… Eu explico: pra ouvir um vinil convencional em toca discos convencionais, precisa ser 45 rpm. No slow, o mínimo que as vitrolas convencionais fazem são 33 rpms. Ou seja, ou você faz um aparelho que trave seu vinil e rode em 3rpm exatos, ou você tenta fazer isso com as mãos, ou não dá pra ouvir!! Em plena era .mp3 ou superior, o cara me inventa um novo formato de vinil. ‘ai Jack White’, rs… Clap, clap, clap, clap.

Só 2 pessoas no Brasil têm essa raridade. Paulo Terron, da Rolling Stone e Gaía Passarelli, atual namorada do Chuck Hipolitho e Vj da MTV:

2. Bom, o último lançamento da Third Man Records é para o single Sixteen Saltines, do Jack White. Um outro vinil com várias peculiaridades. Tem uma versão que é estampado com o logo da gravadora, e isso são as marcações de play!

Meodeos! Como? Pois é, eu também ainda estou tentando desenhar isso, e pensar em uma maneira de play rotativo para um logo… mas se você sô acredita vendo, tem no vídeo abaixo.

Não sendo o suficiente, como você deve ter visto no vídeo, tem uma versão de vinil com líquido dentro. Putaquemepariu Audrey, pq?? Cara, não importa. Mas faz igual eu e só aprecia!

Ainda não sendo isso o bastante, a distribuição dessa maravilha é por balões biodegradáveis. Hein? Pois é, o cara não cansa. Ele vai amarrar cds e vinis em balões azuis biodegradáveis e soltar por ai. Sorte a sua e muita inveja a minha se você morar no Tennessee.

Bão, paro por aqui. Dessa vez é só tudo isso que eu tenho pra falar do Jack White para vocês, rs. Espero que vocês tenham ficados boquiabertos e inconformados com a criatividade desse cara igual eu sempre fico, porque olha… ‘ai Jack White’, rs…

Anúncios

Frankenweenie, de Tim Burton

Quando você ler por ai que “o Tim Burton fez uma NOVA versão para o Frankenstein” você por gentileza, grite “é mentira!

Seguinte, gente: (o cara não nasceu sabendo, então) Era uma vez Tim Burton, em 1984, estudante do Instituto de Artes da California, que gravou em curta metragem uma paródia do Frankenstein original, de 1931, para uma trabalho da faculdade. Sua obra não agradou os professores, mas o cara tinha um certo respeito lá, porque ele era aprendiz júnior em animação de uma empresa que pagava seus estudos. A empresa chamava… hum, como é mesmo o nome? Ah, Walt Disney Company.

Bom, pelo que eu li, mesmo com essa moral toda, a animação feita pelo jovem Burton foi tão ruim que ele foi demitido .(O.o). Segundo a Walt Disney “não vale a pena investir em alguém que após esse tempo todo de estudos, faça algo como ‘Frankenweenie’ – considerado baixo, assustador e inadequado para a época.” Ui Disney, sua braba!!

Só que… “Pé na bunda é impulso” já dizia alguém por aí :) E saindo da Disney, o tal do Burton fez uns acertos pela vida, como “As Grandes Aventuras de Pee-wee“, “Beetlejuice“, “Edward Mãos-de-Tesoura“, “O Estranho Mundo de Jack“, “A Noiva-Cadáver” e enfim várias outras mega obras únicas. O importante é que agora, três décadas depois, a Disney paga a língua ao recuperar Frankenweenie e lançá-lo em stopmotion. Há!

Calma, Tim Burton e a Walt Disney Company são amigos. Tá aí a última obra dessa parceria, Alice no País das Maravilhas, que não me deixa mentir!

Bom, em Frankenweenie, o pequeno Victor utiliza um raio para ressuscitar seu melhor amigo, o cãozinho Sparky. Acontece que a ressurreição veio em forma de monstro, haha. Ele tenta esconder sua cria, mas quando Sparky foge de casa toda a cidade entra em pânico.

Agora é espera Outubro pra essa belezura sair no cinema e ver os monstrinhos Johnny Deep, Helena Bonham Carter e Michelle Pfeiffer by o magnífico Tim Burton! Ou enquanto isso, interage com o site do filme :)

Ai claro!! O trailer de Frankenweenie:

These Days – novo clipe do Foo Fighters

Foo Fighters disponibilizou nesta madrugada o clipe These Days na fanpage da  Sony Music Brasil.
Esta faixa é o novo single do álbum “Wasting Light”.

Pra quem vai vê-los no Lollapalooza,  fica aí uma prévia.
Enjoy :)

Foo Fighters – White Limo

Eu acho genial quase tudo que o Foo Fighters faz. Esses pocket shows anunciados via twitter de última hora, stream de ensaios, parcerias, videos de brincadeiras entre eles, as entrevistas sempre engraçadas, o FooFighters.fm, o clould, o Dave Grohl, rs… cara, é genial!

Dia 12/Abril lança o sétimo álbum de estúdio da banda. Dave Grohl disse que “o álbum tem 11 canções e do início ao fim, não tem nenhuma balada sonolenta”. O álbum tem produção de Butch Vig (o mesmo de ‘Nevermind’ do Nirvana) e participação do antigo guitarrista – Pat Smear.

O álbum ainda está sem nome, mas já vem com participações excelentíssimas. Vide o novo vídeo ‘White Limo’, que não é das melhores músicas do novo álbum mas foda-se pq é com Lemmy Kilmister do Motörhead!! \m/